Que tal começar as manhãs de terça-feira refletindo sobre propósito, numa conversa informal e interativa? Participe do Café com Edu, programa com Eduardo Seidenthal, fundador e membro da Rede Ubuntu, sobre temas relacionados à jornada do EUpreendedorismo. O Café vai ao ar sempre às 8h00, pelo Facebook. 
 
O programa comemorou o primeiro aniversário em junho. Temas como vulnerabilidade, filosofia Ubuntu, conversas pendentes, polaridades, gratidão, nossos vínculos, entre tantos outros, foram abordados. Acesse a playlist do YouTube e confira o assunto de seu interesse. 
 
Em um dos Cafés mais recentes, Edu abordou uma questão presente em vários workshops sobre construção de equipes: a importância do "E também". Segundo ele, ao substituirmos as expressões “mas”, “porém”, “só que...”, pelo “e também”, criamos oportunidades de diálogo e não de conflito. Cada um pode colocar o seu ponto de vista, ampliando o leque de opiniões, sem tornar uma ideia melhor que a outra. É justamente no cruzamento dessas ideias que surge a inovação. Vale conferir! 
 
Anote na agenda: Café com Edu, terças-feiras, às 8h00, pelo Facebook.  

Facebook Twitter Linkedin+

Papo de Propósito: “Vamos VenSer Juntos?”

Vivemos em mundo competitivo, movido principalmente por ações que afastam as pessoas. 
Para nos aproximarmos, é necessário reaprender a cooperar para, juntos, podermos VenSer. 
Cooperar significa lidar com conflitos, buscar conexões e encontros de cada um consigo mesmo e os outros, mudando padrões no trabalho e na vida.  
 
"Vamos VenSer Juntos?" foi o tema da edição de junho do Papo de Propósito, programa de entrevistas da Rede Ubuntu sobre histórias inspiradoras. Cambises Bistricky Alves, o Camba, diretor e sócio do Projeto Cooperação, falou sobre sua experiência em desenvolver culturas colaborativas em organizações, mostrando os benefícios dessa forma de ser e agir no mundo, em relação à competição. 
 
“No Brasil, os modelos são muito competitivos, por exemplo, na educação, no trabalho. E, por conta da situação econômica e política, há muita polaridade. Isso não está dando certo”, afirmou Camba. Para ele, a colaboração e a cooperação são elementos vitais para transformações na sociedade.  
 
Quer interagir no próximo programa? O Papo de Propósito vai ao ar na terceira terça-feira do mês, às 20h00, pelo YouTube e Facebook Live, com produção e apresentação de Luana Fonseca, Cris Vilar Diogo e Silvia Maiolino, membros da Rede Ubuntu. O trio tem experiência profissional nas áreas de Marketing, Vendas, Treinamento e Comunicação e acredita no Papo de Propósito como espaço para disseminação e fortalecimento do EUpreendedorismo.  
 
Confira a playlist do Papo de Propósito e conheça outras histórias inspiradoras.   

Facebook Twitter Linkedin+

Quando toma uma xícara de café, mais que o aroma e o sabor especiais dos grãos da marca Wolff Café, Pedro Vilela (na foto, sentado à frente, à direita) sente a satisfação de um projeto dando certo. E tem certeza de sua escolha profissional de abrir o próprio negócio e investir em empresas de impacto positivo no mundo. Foram vários passos até aqui, cada um com diferentes aprendizados.  
 
O interesse nessa área começou na infância, com o exemplo de seus pais –Pedro, médico a serviço a do setor público, e Roseane, engenheira civil que trabalhava com habitação popular. 
E nunca mais o abandonou. Aos 18 anos, ele veio de São José do Rio Preto para São Paulo para cursar Administração de Empresas no Ibmec (hoje, Insper). Após alguns estágios em pequenas empresas – o ambiente de startups o atraia –, Pedro conseguiu seu primeiro emprego na Integration - Consultoria de Estratégia e Gestão, voltada ao mercado de grandes multinacionais, logo depois de formado. 
  
“Foi uma grande escola, atuei em projetos de Finanças, Estratégia, Vendas e Marketing, e entendi o que é a gestão de um negócio”, lembra. Por quase 10 anos, ele prestou serviço para grandes organizações no Brasil e no Exterior. Morou no México, Estados Unidos, Inglaterra, Índia e África do Sul. "Sou extremamente e eternamente grato à Integration, pois lá conquistei minha primeira renda, bons amigos, minha esposa e um caminhão de aprendizados técnicos e de valores, que levarei para minha vida". 
 
Durante esse período, também cursou MBA em Estratégia e Finanças, na Indian School of Business (ISB), na época a instituição top 12 pelo ranking do Financial Times. Escolheu a Índia por ser uma cultura diferente: queria abrir a cabeça “em uma civilização mais espiritualizada" e, além disso, o país era bastante fértil de empresas de impacto social positivo – o viés de empreendedor sempre aparecia em sua trajetória. 
 
De volta ao Brasil em 2010, Pedro trabalhou por mais três anos na Integration, ajudando na criação do escritório em Londres, atualmente com mais de 20 pessoas, voltado para a Europa. 
Após esse período, começou sua fase empreendedora própria e resolveu ir atrás dos seus projetos. Com seu cunhado, chef de cozinha, abriu a CO.MO. (Cozinha Móvel), uma cozinha industrial de produção, que abastecia um food truck, seguindo modelos de sucesso na Europa. Os sócios, no entanto, por diversos motivos, decidiram sair do negócio e vender seus ativos. 
 
“Apesar das dívidas e dos problemas para gerenciar, foi um período de muito crescimento”, afirma Pedro. Mesmo querendo continuar a empreender, voltou, por necessidade, ao mercado corporativo. Foi trabalhar em um fundo de crédito no Pátria Investimentos, onde aprendeu bastante sobre transações de crédito e equity (compra e venda de empresas), captação de recursos e como lidar com investidores no ambiente de empresas de médio porte no Brasil. 
 
Olhar EUpreendedor – Nesse período, começou um processo de coaching com Eduardo Seidenthal, fundador da Rede Ubuntu, para trabalhar o seu propósito. Na troca de ideias sobre EUpreendedorismo, os interesses da juventude ficaram ainda mais claros: trabalhar em empresas voltadas à inclusão social e/ou ao consumo consciente/sustentabilidade. “Os diálogos, a metodologia e as reflexões me ajudaram a organizar o que amo fazer, com o que sei fazer e para quem quero fazer. Sou muito grato ao Edu”, ressalta. 
 
Com o propósito definido, era hora de encontrar os caminhos para colocá-lo em prática.  
 
Assim, Pedro fundou a Rise Ventures, uma venture builder que atua na estruturação de teses de investimento – captação de investimento, atração e desenvolvimento de pessoas –, e gestão do crescimento para empresas pequenas que possuem de impacto social e/ou ambiental positivo. A Rise cobra uma mensalidade fixa baixa para democratizar o acesso aos serviços, um success fee (taxa de sucesso que depende da efetiva captação dos recursos) e uma participação societária minoritária dos negócios que se torna sócia. Assim, ela se monetiza. 
 
Pouco tempo depois de iniciar Pedro conheceu Daniel Madureira, que se tornou seu sócio no terceiro mês do negócio. Os dois montaram a equipe, hoje com 6 pessoas, e começaram a trabalhar. Aplicaram o piloto da metodologia na Wolff Café, seu primeiro cliente, e deu certo. Mais que isso: o modelo de negócios da Rise se mostrou efetivo e bem-vindo tanto às empresas que serve, quanto aos investidores-anjo que considerem aportar recursos.  
 
Café de qualidade – A Wolff atua na torrefação de cafés especiais, reunindo os melhores grãos crus nacionais, fornecidos por pequenos produtores. Hugo Wolff, seu fundador, é um barista e mestre de torras apaixonado pela profissão, que sempre quis difundir a qualidade dos cafés no Brasil. Viu na Rise um complemento de gestão importante para isso. O impacto positivo da Wolff Café é gerado por projetos de melhoria de produtividade, junto aos pequenos produtores, além do plantio de árvores para zerar a emissão de CO2, o pagamento do preço justo pelo café e o olhar para as famílias no campo.  
 
Em paralelo, ao longo do primeiro ano do negócio, celebrado em julho de 2017, Pedro e Daniel chegaram a conversar com mais de 30 empresas para definir quais seriam os próximos projetos que escolheriam. Feliz, realizado e motivado, Pedro já estuda dois novos projetos de investimento: alimentação vegana e energia solar. 
 
Os resultados desse primeiro ano são positivos: “Ganho menos, mas com um sorriso bem maior, pois todos ganham juntos. Quanto mais a Rise crescer, mas impacto positivo no mundo e, consequentemente, mais retorno financeiro. Temos muito trabalho para os próximos anos”, avalia. 

Facebook Twitter Linkedin+

Já pediu um Réupi?

Acabamos de lançar a nova versão da nossa plataforma digital, o Réupi, Rede Ubuntu de Pessoas Indicadas. Nosso objetivo é conectar pessoas em busca de ajuda, em sua jornada EUpreendedora, com os profissionais mais bem avaliados dentro da nossa comunidade. 
 
Que tipo de ajuda? Caminhos para avançar nos desafios relacionados aos 10 Indicadores do EUpreendedor: trabalho, relacionamento familiar e social, espiritualidade, aprendizagem, bem-estar físico e emocional, o lado lúdico, o impacto de cada um no mundo e, finalmente, questões financeiras. 
 
Como funciona em rede e de maneira distribuída, a Ubuntu tem acesso a inúmeros profissionais de diferentes especialidades, focados nos mais variados públicos. Assim, propomos: que tal construirmos, todos juntos, essa plataforma? 
 
Venha fazer parte do Réupi! Acesse www.reupi.net, cadastre-se e tenha,gratuitamente, acesso a uma avaliação dos indicadores de EUpreendedor. Automaticamente, você passará a ser membro da Rede Ubuntu, fazendo parte deste lindo movimento de EUpreendedorismo no mundo! 

Facebook Twitter Linkedin+

Eu, “sem querer” ou “de propósito”? Minha vida vinha no automático e, cada vez mais, eu tinha crises de propósito. Mais frequentes e mais profundas. Tinha me formado na FGV, trabalhado a vida inteira nas multinacionais que escolhi, mas me sentia esvaziada, sem sentido. Uma vida que parecia com o que eu achava que era sucesso. Mas este sucesso 
não era o meu. Eu não ornava com tudo aquilo e comecei a me sentir minguando naquele cenário. Sabia o que não queria, mas ainda não sabia o que queria. 
 
Numa conversa com uma amiga ela perguntou “Patinha, mas o que você quer?!?” Uma pergunta simples, porém, complexa... 
 
Foi aí que o RUA, Rede Ubuntu de Aprendizagem, entrou na minha vida. E não saiu mais. Primeiro, para me ajudar a responder à pergunta e parar de seguir qualquer caminho, antes de ter claro a minha direção. Era hora de descobrir o que fazia – e o que não fazia - sentido para mim. O meu propósito. E a partir daí, criar e reconhecer os caminhos, de dentro para fora. O RUA me ajudou a ter clareza dos meus talentos, das “ferramentas” que tenho em mim, o que quero construir com elas, o que me importa e me mobiliza. Meus valores.  
 
Como coragem significa agir a partir do coração, me conectei a esta causa (propósito). Quando consegui essa clareza, senti uma força interior. De vencer o medo, de ir… Quase como se eu não tivesse escolha. 
 
Mudar pode ser difícil. Mas não mudar, quando o seu coração pede, pode significar muito mais. 
 
O RUA se conectou muito com meu propósito. Desde então, venho trazendo o melhor de mim para tentar ajudar as pessoas em busca de uma vida mais alinhada ao que/quem são!  
 
Eu (e o RUA) queremos acabar com o desperdício de talentos no mundo e, também, de pessoas levando vidas sem sentido e conexão com o que são. Hoje, eu sei que sou “de propósito” e quero contribuir para que mais gente seja também! 
 
Vem pro RUA! Saiba mais em RUA Vila Madalena (SP) e RUA Curitiba

Facebook Twitter Linkedin+

Que tal começar as manhãs de terça-feira refletindo sobre propósito, numa conversa informal e interativa? Participe do Café com Edu, programa com Eduardo Seidenthal, fundador e membro da Rede Ubuntu, sobre temas relacionados à jornada do EUpreendedorismo. O Café vai ao ar sempre às 8h00, pelo Facebook. 
 
O programa comemorou o primeiro aniversário em junho. Temas como vulnerabilidade, filosofia Ubuntu, conversas pendentes, polaridades, gratidão, nossos vínculos, entre tantos outros, foram abordados. Acesse a playlist do YouTube e confira o assunto de seu interesse. 
 
Em um dos Cafés mais recentes, Edu abordou uma questão presente em vários workshops sobre construção de equipes: a importância do "E também". Segundo ele, ao substituirmos as expressões “mas”, “porém”, “só que...”, pelo “e também”, criamos oportunidades de diálogo e não de conflito. Cada um pode colocar o seu ponto de vista, ampliando o leque de opiniões, sem tornar uma ideia melhor que a outra. É justamente no cruzamento dessas ideias que surge a inovação. Vale conferir! 
 
Anote na agenda: Café com Edu, terças-feiras, às 8h00, pelo Facebook.  

Facebook Twitter Linkedin+

Vivemos em mundo competitivo, movido principalmente por ações que afastam as pessoas. 
Para nos aproximarmos, é necessário reaprender a cooperar para, juntos, podermos VenSer. 
Cooperar significa lidar com conflitos, buscar conexões e encontros de cada um consigo mesmo e os outros, mudando padrões no trabalho e na vida.  
 
"Vamos VenSer Juntos?" foi o tema da edição de junho do Papo de Propósito, programa de entrevistas da Rede Ubuntu sobre histórias inspiradoras. Cambises Bistricky Alves, o Camba, diretor e sócio do Projeto Cooperação, falou sobre sua experiência em desenvolver culturas colaborativas em organizações, mostrando os benefícios dessa forma de ser e agir no mundo, em relação à competição. 
 
“No Brasil, os modelos são muito competitivos, por exemplo, na educação, no trabalho. E, por conta da situação econômica e política, há muita polaridade. Isso não está dando certo”, afirmou Camba. Para ele, a colaboração e a cooperação são elementos vitais para transformações na sociedade.  
 
Quer interagir no próximo programa? O Papo de Propósito vai ao ar na terceira terça-feira do mês, às 20h00, pelo YouTube e Facebook Live, com produção e apresentação de Luana Fonseca, Cris Vilar Diogo e Silvia Maiolino, membros da Rede Ubuntu. O trio tem experiência profissional nas áreas de Marketing, Vendas, Treinamento e Comunicação e acredita no Papo de Propósito como espaço para disseminação e fortalecimento do EUpreendedorismo.  
 
Confira a playlist do Papo de Propósito e conheça outras histórias inspiradoras.   

Facebook Twitter Linkedin+

Quando toma uma xícara de café, mais que o aroma e o sabor especiais dos grãos da marca Wolff Café, Pedro Vilela (na foto, sentado à frente, à direita) sente a satisfação de um projeto dando certo. E tem certeza de sua escolha profissional de abrir o próprio negócio e investir em empresas de impacto positivo no mundo. Foram vários passos até aqui, cada um com diferentes aprendizados.  
 
O interesse nessa área começou na infância, com o exemplo de seus pais –Pedro, médico a serviço a do setor público, e Roseane, engenheira civil que trabalhava com habitação popular. 
E nunca mais o abandonou. Aos 18 anos, ele veio de São José do Rio Preto para São Paulo para cursar Administração de Empresas no Ibmec (hoje, Insper). Após alguns estágios em pequenas empresas – o ambiente de startups o atraia –, Pedro conseguiu seu primeiro emprego na Integration - Consultoria de Estratégia e Gestão, voltada ao mercado de grandes multinacionais, logo depois de formado. 
  
“Foi uma grande escola, atuei em projetos de Finanças, Estratégia, Vendas e Marketing, e entendi o que é a gestão de um negócio”, lembra. Por quase 10 anos, ele prestou serviço para grandes organizações no Brasil e no Exterior. Morou no México, Estados Unidos, Inglaterra, Índia e África do Sul. "Sou extremamente e eternamente grato à Integration, pois lá conquistei minha primeira renda, bons amigos, minha esposa e um caminhão de aprendizados técnicos e de valores, que levarei para minha vida". 
 
Durante esse período, também cursou MBA em Estratégia e Finanças, na Indian School of Business (ISB), na época a instituição top 12 pelo ranking do Financial Times. Escolheu a Índia por ser uma cultura diferente: queria abrir a cabeça “em uma civilização mais espiritualizada" e, além disso, o país era bastante fértil de empresas de impacto social positivo – o viés de empreendedor sempre aparecia em sua trajetória. 
 
De volta ao Brasil em 2010, Pedro trabalhou por mais três anos na Integration, ajudando na criação do escritório em Londres, atualmente com mais de 20 pessoas, voltado para a Europa. 
Após esse período, começou sua fase empreendedora própria e resolveu ir atrás dos seus projetos. Com seu cunhado, chef de cozinha, abriu a CO.MO. (Cozinha Móvel), uma cozinha industrial de produção, que abastecia um food truck, seguindo modelos de sucesso na Europa. Os sócios, no entanto, por diversos motivos, decidiram sair do negócio e vender seus ativos. 
 
“Apesar das dívidas e dos problemas para gerenciar, foi um período de muito crescimento”, afirma Pedro. Mesmo querendo continuar a empreender, voltou, por necessidade, ao mercado corporativo. Foi trabalhar em um fundo de crédito no Pátria Investimentos, onde aprendeu bastante sobre transações de crédito e equity (compra e venda de empresas), captação de recursos e como lidar com investidores no ambiente de empresas de médio porte no Brasil. 
 
Olhar EUpreendedor – Nesse período, começou um processo de coaching com Eduardo Seidenthal, fundador da Rede Ubuntu, para trabalhar o seu propósito. Na troca de ideias sobre EUpreendedorismo, os interesses da juventude ficaram ainda mais claros: trabalhar em empresas voltadas à inclusão social e/ou ao consumo consciente/sustentabilidade. “Os diálogos, a metodologia e as reflexões me ajudaram a organizar o que amo fazer, com o que sei fazer e para quem quero fazer. Sou muito grato ao Edu”, ressalta. 
 
Com o propósito definido, era hora de encontrar os caminhos para colocá-lo em prática.  
 
Assim, Pedro fundou a Rise Ventures, uma venture builder que atua na estruturação de teses de investimento – captação de investimento, atração e desenvolvimento de pessoas –, e gestão do crescimento para empresas pequenas que possuem de impacto social e/ou ambiental positivo. A Rise cobra uma mensalidade fixa baixa para democratizar o acesso aos serviços, um success fee (taxa de sucesso que depende da efetiva captação dos recursos) e uma participação societária minoritária dos negócios que se torna sócia. Assim, ela se monetiza. 
 
Pouco tempo depois de iniciar Pedro conheceu Daniel Madureira, que se tornou seu sócio no terceiro mês do negócio. Os dois montaram a equipe, hoje com 6 pessoas, e começaram a trabalhar. Aplicaram o piloto da metodologia na Wolff Café, seu primeiro cliente, e deu certo. Mais que isso: o modelo de negócios da Rise se mostrou efetivo e bem-vindo tanto às empresas que serve, quanto aos investidores-anjo que considerem aportar recursos.  
 
Café de qualidade – A Wolff atua na torrefação de cafés especiais, reunindo os melhores grãos crus nacionais, fornecidos por pequenos produtores. Hugo Wolff, seu fundador, é um barista e mestre de torras apaixonado pela profissão, que sempre quis difundir a qualidade dos cafés no Brasil. Viu na Rise um complemento de gestão importante para isso. O impacto positivo da Wolff Café é gerado por projetos de melhoria de produtividade, junto aos pequenos produtores, além do plantio de árvores para zerar a emissão de CO2, o pagamento do preço justo pelo café e o olhar para as famílias no campo.  
 
Em paralelo, ao longo do primeiro ano do negócio, celebrado em julho de 2017, Pedro e Daniel chegaram a conversar com mais de 30 empresas para definir quais seriam os próximos projetos que escolheriam. Feliz, realizado e motivado, Pedro já estuda dois novos projetos de investimento: alimentação vegana e energia solar. 
 
Os resultados desse primeiro ano são positivos: “Ganho menos, mas com um sorriso bem maior, pois todos ganham juntos. Quanto mais a Rise crescer, mas impacto positivo no mundo e, consequentemente, mais retorno financeiro. Temos muito trabalho para os próximos anos”, avalia. 

Facebook Twitter Linkedin+

Acabamos de lançar a nova versão da nossa plataforma digital, o Réupi, Rede Ubuntu de Pessoas Indicadas. Nosso objetivo é conectar pessoas em busca de ajuda, em sua jornada EUpreendedora, com os profissionais mais bem avaliados dentro da nossa comunidade. 
 
Que tipo de ajuda? Caminhos para avançar nos desafios relacionados aos 10 Indicadores do EUpreendedor: trabalho, relacionamento familiar e social, espiritualidade, aprendizagem, bem-estar físico e emocional, o lado lúdico, o impacto de cada um no mundo e, finalmente, questões financeiras. 
 
Como funciona em rede e de maneira distribuída, a Ubuntu tem acesso a inúmeros profissionais de diferentes especialidades, focados nos mais variados públicos. Assim, propomos: que tal construirmos, todos juntos, essa plataforma? 
 
Venha fazer parte do Réupi! Acesse www.reupi.net, cadastre-se e tenha,gratuitamente, acesso a uma avaliação dos indicadores de EUpreendedor. Automaticamente, você passará a ser membro da Rede Ubuntu, fazendo parte deste lindo movimento de EUpreendedorismo no mundo! 

Facebook Twitter Linkedin+

Eu, “sem querer” ou “de propósito”? Minha vida vinha no automático e, cada vez mais, eu tinha crises de propósito. Mais frequentes e mais profundas. Tinha me formado na FGV, trabalhado a vida inteira nas multinacionais que escolhi, mas me sentia esvaziada, sem sentido. Uma vida que parecia com o que eu achava que era sucesso. Mas este sucesso 
não era o meu. Eu não ornava com tudo aquilo e comecei a me sentir minguando naquele cenário. Sabia o que não queria, mas ainda não sabia o que queria. 
 
Numa conversa com uma amiga ela perguntou “Patinha, mas o que você quer?!?” Uma pergunta simples, porém, complexa... 
 
Foi aí que o RUA, Rede Ubuntu de Aprendizagem, entrou na minha vida. E não saiu mais. Primeiro, para me ajudar a responder à pergunta e parar de seguir qualquer caminho, antes de ter claro a minha direção. Era hora de descobrir o que fazia – e o que não fazia - sentido para mim. O meu propósito. E a partir daí, criar e reconhecer os caminhos, de dentro para fora. O RUA me ajudou a ter clareza dos meus talentos, das “ferramentas” que tenho em mim, o que quero construir com elas, o que me importa e me mobiliza. Meus valores.  
 
Como coragem significa agir a partir do coração, me conectei a esta causa (propósito). Quando consegui essa clareza, senti uma força interior. De vencer o medo, de ir… Quase como se eu não tivesse escolha. 
 
Mudar pode ser difícil. Mas não mudar, quando o seu coração pede, pode significar muito mais. 
 
O RUA se conectou muito com meu propósito. Desde então, venho trazendo o melhor de mim para tentar ajudar as pessoas em busca de uma vida mais alinhada ao que/quem são!  
 
Eu (e o RUA) queremos acabar com o desperdício de talentos no mundo e, também, de pessoas levando vidas sem sentido e conexão com o que são. Hoje, eu sei que sou “de propósito” e quero contribuir para que mais gente seja também! 
 
Vem pro RUA! Saiba mais em RUA Vila Madalena (SP) e RUA Curitiba

Facebook Twitter Linkedin+